MAIS PARAIBANOS GANHAM OURO NA OBMEP

Estudante paraibano é uma das estrelas da OBMEP.

  

            Na VI Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), realizada em 2010, cuja lista de premiados foi divulgada no final de novembro último, a Paraíba teve, pela segunda vez consecutiva, um bom desempenho: conquistou 2 (duas) medalhas de ouro, 7 (sete) medalhas de prata, 18 (dezoito) medalhas de bronze e 131 (cento e trinta e uma) menções honrosas.

            Os estudantes paraibanos contemplados com medalhas de ouro foram: Wanderson Ferreira de Almeida e Joemerson de Oliveira Maia. O primeiro é aluno da Escola Municipal de Ensino Fundamental Cândido de Assis Queiroga, da cidade de Paulista, no Sertão paraibano, enquanto o outro é de João Pessoa e estuda na Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Ana Cristina Rolin Machado.

            As provas realizaram-se em duas etapas, nos meses de junho e setembro passados, e contaram com a participação de quase 20 milhões de alunos inscritos de 44.717 escolas brasileiras. Na Paraíba, foram quase 400.000 estudantes inscritos de todas as regiões paraibanas.

            Participam da OBMEP os estudantes matriculados em escolas públicas municipais, estaduais e federais. As provas dessa competição são divididas em três níveis: nível 1- para alunos do 6º e 7º anos do ensino fundamental; nível 2- para alunos do 8º e 9º anos do ensino fundamental, e nível 3- para alunos da 1ª a última série do ensino médio.

            Na Paraíba, o aluno com melhor desempenho nacional foi Wanderson Ferreira de Almeida, de 9 anos, que cursou o 6º ano (antiga 5ª. série) do ensino fundamental, conseguindo a 106ª posição dentre mais de 6 milhões de estudantes desse nível. Ele é o estudante paraibano e provavelmente brasileiro mais jovem a ganhar medalha de ouro em uma competição nacional. Segundo a sua mãe, Professora Jonilda, ele começou a estudar com 2 anos de idade. Quem sabe pode estar nascendo uma bonita estrela!

                                                                                                                                                                                                                                

MAIS SOBRE A OBMEP

  

            A OBMEP é a maior olimpíada de matemática do mundo e abrange 99,16% dos municípios brasileiros. Todos os ganhadores de medalhas da OBMEP 2010 que não tenham concluído o ensino médio serão contemplados também com uma bolsa de Iniciação Científica Júnior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), como também passarão a receber aulas de matemática, com orientação da OBMEP, nos seus respectivos estados pelo mesmo período de duração da bolsa. Os estudantes ganhadores de medalhas da OBMEP e OBM 2010, ao ingressarem na universidade, também passarão a receber uma bolsa do CNPq.

            Em 2010, 200 estudantes de cada um dos níveis 1 e 2, e 103 do nível 3 foram agraciados com medalhas de ouro na OBMEP.

            A OBMEP é uma realização da Sociedade Brasileira de Matemática, da Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, do Ministério da Ciência e Tecnologia, e do Ministério da Educação, com apoio do CNPq.

            Os trigêmeos paraibanos voltaram a fazer história: desta vez, Joemerson de Oliveira Maia, Joeverton de Oliveira Maia e Joebert de Oliveira Maia conquistaram 1 (uma) medalha de ouro, 1 (uma) medalha de prata e 1 (uma) menção honrosa, respectivamente, na OBMEP 2010.

            Mesmo com os obstáculos naturais e a falta de investimentos, alunos paraibanos de escolas estaduais e municipais conseguem resultados surpreendentes em competições nacional e internacional. Em todas as edições da OBMEP (2005 a 2010), eles já levaram 7 (sete) medalhas de ouro, 42 (quarenta e duas) medalhas de prata, 100 (cem) medalhas de bronze e 1.534 (mil, quinhentas e trinta e quatro) menções honrosas. No Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), a Paraíba foi a 13ª no ranking nacional, ficando à frente de todos os estados nordestinos, e na Olimpíada da Língua Portuguesa “Escrevendo o Futuro”, que é uma competição nacional para alunos de escolas públicas, e contou com a participação de 239 mil professores e 7 milhões de alunos do 5º ano do ensino fundamental ao último ano do ensino médio. Dos 152 finalistas que participaram da solenidade de entrega do prêmio em Brasília, 5 foram estudantes paraibanos. Apenas 12 estados brasileiros tiveram finalistas nessa competição.

            A aluna Rossana Dias Costa, de 17 anos, da cidade de Pedra Lavrada, no Cariri paraibano, recebeu medalha de ouro na Olimpíada da Língua Portuguesa. O prêmio foi entregue das mãos do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

            Os campeões olímpicos têm uma motivação interminável, “uma vontade infinita” e um sonho que nunca tem fim. Também não abdicam da diversão para estudar, eles se divertem estudando.

            José Vieira Alves*

            *Coordenador Regional em Campina Grande da Olimpíada Brasileira de Matemática, professor orientador da OBMEP e professor aposentado do DME/CCT/UFCG. Telefone para contato: (83) 3333-1741.

                                                                                                                                                                                                                                

MAIS  OURO  PARA  A  PARAÍBA  NA  OBMEP

  

            Na terceira edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) realizada em 2007, cuja lista de premiados foi divulgada em dezembro último, o estudante Wederson Santos Silva, de 12 anos, da Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Suzete Dias Correa, em Massaranduba, no agreste paraibano, conquistou a medalha de ouro na modalidade nível 1 (5ª e 6ª séries). Ele é um dos estudantes paraibanos mais jovens a ganhar medalha de ouro em Olimpíadas Brasileiras de Matemática. Wederson já tinha participado da competição quando cursava a 5ª série e recebeu medalha de prata na edição de 2006.

            Todos os medalhistas de ouro da 3ª OBMEP receberão suas medalhas no dia 26 de fevereiro na cidade do Rio de Janeiro, sede da competição, com todas as despesas custeadas pela coordenação do evento. Estudantes paraibanos conquistaram também, nessa competição, 02 medalhas de prata, 16 medalhas de bronze e 216 menções honrosas.

            As provas foram realizadas nos meses de agosto e outubro de 2007 e contaram com a participação de quase 18 milhões de alunos inscritos em todo o Brasil. Na Paraíba, foram mais de 320 mil alunos inscritos de 767 escolas. Somente podem participar da OBMEP os alunos matriculados em escolas públicas municipais, estaduais e federais. As provas da OBMEP são divididas em três níveis: nível 1 – para alunos da 5ª e 6ª séries do ensino fundamental, nível 2 - para alunos da 7ª e 8ª séries do ensino fundamental, e nível 3 – para alunos da 1ª a 3ª séries do ensino médio.

            A OBMEP é a maior olimpíada de matemática do mundo e abrange 99% dos municípios brasileiros. Todos os ganhadores de medalhas da OBMEP 2007 foram contemplados também com uma Bolsa de Iniciação Científica Júnior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que terá a duração de 1 ano.

            A OBMEP é uma realização do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, da Sociedade Brasileira de Matemática, do Ministério da Ciência e Tecnologia, e do Ministério da Educação, com apoio do CNPq.

            Apenas 100 alunos de cada nível foram premiados com medalhas de ouro na OBMEP 2007, o que valoriza ainda mais a conquista do jovem Wederson Santos. Além disso, ele obteve a décima quinta melhor nota do Brasil entre todos os estudantes do mesmo nível da sua competição.

            Já são ao todo 02 alunos paraibanos ganhadores de medalhas de ouro na OBMEP, o que pode servir como exemplo para milhares de estudantes talentosos espalhados por diversos municípios paraibanos.

                                                                                                                                                                                                                                

OURO PARA A PARAÍBA NA OBMEP 2006

 

          Na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) realizada em 2006, cuja lista de premiados foi divulgada no último dia 12 de março, a Paraíba teve a honra de conquistar uma Medalha de Ouro com a aluna CAMILA PAULINO MARQUES da ESC. MUNICIPAL AGROPECUARIA E.F.M. JOSE AUGUSTO LIRA do Município de Boqueirão.

         As provas foram realizadas no dia 18 de novembro de 2006 e contou com a participação de quase 15 milhões de alunos inscritos em todo o Brasil. Na Paraíba foram 227.062 alunos inscritos de 620 Escolas de 192 municípios Paraibanos.

Somente podem participar da OBMEP os alunos matriculados em Escolas Públicas: Estaduais, Municipais e Federais.

As provas da OBMEP são divididas em três Níveis:

- Nível 1: Para alunos da 5ª. e 6ª. Séries do Ensino Fundamental;

- Nível 2: Para alunos da 7ª. e 8ª. Séries do Ensino Fundamental;

- Nível 3: Para alunos da 1ª. a 3ª. Séries do Ensino Médio.

          O que valoriza ainda mais o feito da pequena Camila Paulino de apenas 14 anos, é que ela foi a 5a. colocada em todo o Brasil, no Nível 2. Esta conquista também a torna a primeira aluna paraibana a conquistar uma Medalha de Ouro em Olimpíadas de Matemática realizadas a nível nacional.

Vale mencionar ainda que a aluna Camila Paulino já havia sido premiada com uma Medalha de Prata também no Nível 2, na OBMEP realizada no ano de 2005, quando ela cursava a 7ª. Série. Recentemente ela foi aprovada na seleção para cursar o Ensino Médio no CEFET de Campina Grande, tendo sido a 1a. colocada dentre todos os estudantes selecionados que foram oriundos de escolas públicas. Ela é Bolsista do programa  PIBIC-Jr do Departamento de Matemática e Estatística da UFCG sendo orientada pelo Prof. José Vieira Alves, que leciona semanalmente temas de Matemática para Camila que não são estudados nos currículos regulares das escolas.

Tomando como exemplo essa jovem de uma pequena cidade do interior da Paraíba, que sempre estudou em escolas públicas, os estudantes dessas escolas também podem ver nascer muitos sonhos e esperanças.

           Esperamos contar com o talento de Camila Paulino, e de outros estudantes paraibanos, nas próximas edições da OBMEP.

                                                                                                                                                                                                                                 

 

MENTES QUE BRILHAM

 

              A Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e a Comissão Nacional de Olimpíadas são responsáveis no Brasil por oito olimpíadas de Matemática. Duas são olimpíadas nacionais e as demais, olimpíadas internacionais, havendo duas olimpíadas mundiais: uma espécie de Copa do Mundo da Matemática.

              Em todas essas competições, estudantes campinenses já ganharam medalhas. Essa bonita história foi iniciada na década de 90 e teve como um dos principais representantes, o ex-olímpico campinense Murali Srinivasan Vajapeyam, de 25 anos, que foi o primeiro brasileiro a ganhar 2 medalhas de ouro na Olimpíada de Matemática do Cone Sul (uma olimpíada internacional realizada desde 1988). Ele foi também um dos poucos brasileiros a participar de 3 olimpíadas mundiais (1996, 1997 e 1998), tendo conquistado uma medalha de bronze e uma menção honrosa. Ao todo, foram 7 medalhas (3 de ouro, 2 de prata e 2 de bronze) em olimpíadas internacionais de Matemática, além de 5 medalhas (2 de ouro, 2 de prata e 1 de bronze) e uma menção honrosa em Olimpíadas Brasileiras de Matemática.

                   Outro ilustre representante desta geração de ouro é o estudante de pós-graduação da UNICAMP, Diogo Diniz Pereira da Silva e Silva, que ganhou uma menção honrosa e 2 medalhas de bronze na Olimpíada Brasileira de Matemática Universitária. Além disso, ele ganhou uma medalha de prata na ata na ata na ata na XII International Mathematical Competition for University Students realizada na Bulgária em 2005. Ele tem sido, até o momento, o único paraibano a conseguir tal conquista, além de possuidor de determinação interminável e “vontade infinita”.

                   Outros ganhadores das olimpíadas merecem destaque. A exemplo do professor doutor Walfredo Cirne Filho, atualmente trabalhando na empresa americana Google, mas vinculado ao Departamento de Sistemas e Computação da UFCG. Ele foi o precursor dessa história de sucesso e, em 1987, o único aluno fora do eixo Rio/São Paulo a ser premiado na Olimpíada Brasileira de Matemática, tendo inclusive participado de uma olimpíada mundial em Camberra (Austrália) em 1988.

                   De todos os olímpicos campinenses, paraibanos e brasileiros, provavelmente o mais eclético seja o jovem Felipe Gonçalves Assis, de 16 anos, que teve como a mais recente conquista: a medalha de prata na XI Olimpíada Internacional de Astronomia realizada no período de 10 a 19 de novembro de 2006 na cidade de Mumbai (Índia). Ele foi o único estudante das regiões Norte e Nordeste a integrar a equipe brasileira nessa competição e também o único brasileiro a ganhar medalha de prata. Participaram desse evento os melhores alunos de vários países, tais como Rússia, China, Índia, Suécia, Sérvia, Lituânia, Tailândia, Indonésia, Coréia do Sul, Irã, Romênia, Bulgária, Armênia e Brasil.

                   Felipe é um estudante de mente fértil e brilhante. Ganhou 4 medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia (2003, 2004, 2005 e 2006), 2 medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Física (2004 e 2005), 1 medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Biologia (2006), 2 medalhas de ouro na Olimpíada Paraibana de Física (2004 e 2005), 1 medalha de ouro na Olimpíada Pessoense de Matemática (2005), 7 medalhas de ouro na Olimpíada Campinense de Matemática (2000 a 2006), 1 medalha de prata na Olimpíada Norte/Nordeste de Química (2006), 2 medalhas de prata na Olimpíada Brasileira de Matemática (2001 e 2003), 1 medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Química (2006), 2 menções honrosas na Olimpíada Brasileira de Química (2004 e 2005) e 1 menção honrosa na Olimpíada de Maio (2001) – que é uma olimpíada internacional de Matemática.

                   O genial Felipe, além de ser um craque das olimpíadas culturais, é também uma promessa na Música Clássica. Há três anos, no XXX Recital de Piano realizado no Teatro Municipal Severino Cabral, ele tocou músicas de A. Webber e C. Hart, L. Van Beethoven e Tschaikowsky, mostrando-se um jovem muito seguro e consciente dos seus ideais.

                   Campina Grande poderia ser uma grande escola de campeões olímpicos e também de geração de massa crítica, em vez de ocorrerem apenas iniciativas individuais bem sucedidas.

                    As crianças e os jovens adoram participar de competições saudáveis. Neste ano, foi realizada a segunda edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) que contou com a participação de mais de 15 milhões de estudantes de quase todos os municípios brasileiros. A OBMEP é provavelmente a maior olimpíada de Matemática realizada no mundo. No Irã, os estudantes que são selecionados para participar da Olimpíada Internacional de Matemática (IMO), que é promovida todos os anos em um país diferente, são dispensados de prestar o vestibular daquele país. Como conseqüência e em virtude do investimento, o Irã já tem mais medalhas de ouro na IMO do que todos os países ibero-americanos juntos (América Latina, Portugal e Espanha).

                   Tudo isso pode ser um sinal da importância das olimpíadas culturais.

Prof. José Vieira Alves

Coordenador Regional da OBM

P.S.: O Felipe ganhou mais uma medalha : bronze na OBM 2006.

                                                                                                                                                                                                                                 

 

Estudante do DME/CCT/UFCG integra Equipe Brasileira que vai à Bulgária

 

                   O estudante Diogo Diniz Pereira da Silva e Silva, de 23 anos, do curso de graduação em Matemática o CCT/UFCG, foi convidado a integrar a equipe que representará o Brasil na Competição daIMC - International Mathematics Competition for University Students (Olimpíada Internacional de Matemática), prevista para ocorrer de 22 à 28 de julho de 2005 na cidade de Blagoevgrad, Bulgária. Diogo recebeu o convite por ter participado da Olimpíada Brasileira de Matemática, nível universitário, onde recebeu Menção Honrosa em 2001 e medalhas de Bronze em 2002 e 2004, sendo este último resultado a credencial que o levou a compor a equipe brasileira. O estudante cursa o último período do Bacharelado em Matemática, com coeficiente de rendimento escolar igual à 9.0 e possui as seguintes premiações: Olimpíada Campinense de Matemática – Nível Médio, onde recebeu Menção Honrosa (1998), Medalha de Bronze (1999) e Medalha de Ouro(2000); Menção Honrosa no Congresso de Iniciação Científica, realizado no IMPA, Rio de Janeiro, em 2004, por seu trabalho "Aplicações entre Espaços de Banach que atingem a Norma", sob orientação do Prof. Daniel Marinho Pellegrino; Olimpíada Brasileira de Matemática – Nível Universitário, Diogo recebeu Menção Honrosa no ano de 2001 e Medalhas de Bronze em 2002 e 2004.

                                                                                                                                                                                                                                

OURO PARA CAMPINA GRANDE

Estudante campinense é o melhor dos brasileiros

 

                   

Realizou-se em novembro último a XII Olimpíada Iberoamericana de Matemática Universitária (OIMU) cuja lista de premiados foi divulgada em fevereiro deste ano. O estudante campinense Felipe Gonçalves Assis, de 20 anos, que cursa atualmente o 7º período do curso de Engenharia Elétrica da UFCG e também é aluno especial do Mestrado em Matemática do Departamento de Matemática e Estatística do CCT/UFCG, foi o brasileiro com melhor desempenho: obteve a medalha de ouro. Foi a segunda vez que estudantes campinenses conquistaram medalhas na OIMU.

A OIMU é realizada desde 1998 e podem participar desta competição todos os países iberoamericanos (América Latina mais Portugal e Espanha).

No Brasil, a OIMU é realizada em todas as cidades brasileiras que têm coordenação regional da Olimpíada Brasileira de Matemática. Nesta competição, os alunos não viajam e sim, as provas. Cada país participante da OIMU é representado por, no máximo, os 10 primeiros alunos que obtiveram as melhores notas.

As equipes brasileiras participaram de todas as edições da OIMU, tendo conquistado no total 12 medalhas de ouro, 21 medalhas de prata, 42 medalhas de bronze e 38 menções honrosas.

Na Paraíba, os estudantes com maior diversidade e quantidade de medalhas conquistadas em olimpíadas nacional e internacionais de matemática são os campinenses: Murali Srinivasan Vajapeyam, de 29 anos, que concluiu graduação e pós-graduação, e atualmente mora e trabalha nos Estados Unidos, tendo obtido 12 medalhas (5 de ouro, 4 de prata, 3 de bronze) e 2 menções honrosas; e Felipe Gonçalves Assis que já ganhou 7 medalhas (1 de ouro, 4 de prata, 2 de bronze) e 2 menções honrosas. Este, inclusive, é o único estudante paraibano a ganhar medalhas em três continentes (Ásia, Europa e América). Em 2006, ganhou medalha de prata na XI Olimpíada Internacional de Astronomia realizada na Índia e, em 2009, conseguiu atingir provavelmente o seu máximo: levou prata na XVI International Mathematical Competition for University Students (Budapeste, Hungria), bronze na I Competição Iberoamericana Interuniversitária de Matemática (Bogotá, Colômbia) e, por fim, a medalha de ouro na XII Olimpíada Iberoamericana de Matemática Universitária.

José Vieira Alves (*)

(*) José Vieira Alves é coordenador regional em Campina Grande da Olimpíada Brasileira de Matemática, professor orientador da OBMEP e professor aposentado do DME/CCT/UFCG. Telefone para contato: (83) 3333-1741

                                                                                                                                                                                                                                

PARAIBANOS GANHAM OURO NA OBMEP 2009

 

  Na V Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) realizada em 2009, cuja lista de premiados foi divulgada em dezembro último, a Paraíba conquistou 3 medalhas de ouro, 2 medalhas de prata, 17 medalhas de bronze e 230 menções honrosas. Foi o melhor desempenho do estado nessa competição, aparecendo em 12º lugar no ranking nacional em número de medalhas de ouro na mesma competição.

Os estudantes paraibanos contemplados com medalhas de ouro foram: Francimário Souto Medeiros, Manoel Ilton Sarmento Neto e Joeverton de Oliveira Maia. Os dois primeiros são da região do sertão, das cidades de Várzea e Lastro, respectivamente, enquanto o último é de João Pessoa.

As provas foram realizadas em duas etapas nos meses de agosto e outubro passados, e contaram com a participação de mais de 19 milhões de alunos inscritos de 43.854 escolas brasileiras. Na Paraíba, foram 397.522 alunos inscritos de 905 escolas espalhadas por todas as regiões paraibanas. Somente podem participar da OBMEP os estudantes matriculados em escolas públicas municipais, estaduais e federais. As provas dessa competição são divididas em três níveis: nível 1 – para alunos do 6º e 7º anos do ensino fundamental, nível 2 – para alunos do 8º e 9º anos do ensino fundamental, e nível 3 – para alunos da 1ª a 3ª séries do ensino médio.

Na Paraíba, o estudante com melhor desempenho nacional foi Francimário Souto Medeiros, de 16 anos, que cursou a 3ª série do ensino médio na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Odilon de Figueiredo, conseguindo a 52ª posição. Ele também levou medalha de ouro na XXII Olimpíada Campinense de Matemática, tendo conquistado o maior número de acertos de todos os estudantes do seu nível. O mesmo foi premiado em todas as edições da OBMEP (2005 a 2009), tendo conquistado 2 menções honrosas, 1 medalha de bronze, 1 medalha de prata e, por fim, a medalha de ouro.

Francimário é o primeiro estudante paraibano do ensino médio de escolas estaduais a ganhar medalha de ouro na OBMEP, além de ter obtido um bom desempenho no ENEM/2009. No final do ano passado, prestou vestibular em 03 instituições públicas (UFPB, UEPB e UFCG), com aprovação em 14º, 8º e 1º lugares, respectivamente, para o curso de Matemática.

A OBMEP é a maior olimpíada de matemática do mundo e abrange 99,1% dos municípios brasileiros. Todos os ganhadores de medalhas da OBMEP 2009 que não tenham concluído o ensino médio serão contemplados também com uma Bolsa de Iniciação Científica Júnior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com duração de 1 ano, como também passam a receber aulas de matemática nos seus respectivos estados pelo mesmo período.

A OBMEP é uma realização da Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, da Sociedade Brasileira de Matemática, do Ministério da Ciência e Tecnologia, e do Ministério da Educação, com apoio do CNPq.

Apenas 100 estudantes de cada nível foram agraciados com medalhas de ouro na OBMEP 2009, o que valoriza ainda mais as conquistas dos jovens estudantes paraibanos. Todos os medalhistas de ouro da OBMEP/2009 receberão suas medalhas no dia 06 de abril próximo na cidade do Rio de Janeiro, sede da competição, com todas as despesas custeadas pela coordenação do evento. Outro fato inédito para a Paraíba é a bela história dos trigêmeos paraibanos Joeverton de Oliveira Maia, Joemerson de Oliveira Maia e Joebert de Oliveira Maia. O primeiro ganhou medalha de ouro e os outros conquistaram medalhas de bronze na OBMEP/2009.

Uma medalha olímpica abre porta simbólica e também porta de verdade. As medalhas de ouro conquistadas pelos jovens estudantes paraibanos devem servir como autoestima e consciência para milhares de crianças e jovens que também estudam em escolas públicas brasileiras.

José Vieira Alves (*)

(*) José Vieira Alves é coordenador regional em Campina Grande da Olimpíada Brasileira de Matemática, professor orientador da OBMEP e professor aposentado do DME/CCT/UFCG. Telefone para contato: (83) 3333-1741